o que eu penso sobre o jornalismo (português) é exactamente isto.

jornalista português:
- então diga-me lá, isto com o trump vão ser "hard times", o fim do mundo, uma chatice do caraças...
jornalista americano:
- qual "hard times" qual carapuça, isto vai é dar muito trabalho, em suma, vai ser muito divertido.

sim, o jornalismo é aquele difícil equilíbrio entre o espanto do mundo e a aceitação do mundo. "ah isto é assim, então vamos lá perceber porquê, explorar a coisa, em vez de estarmos aqui a lamuriarmo-nos sobre a desgraça que sobre nós se abateu".
o papel do jornalista - e, lá está, esse é o enorme fosso com o comentador - não é lamentar ou apoiar, não é comentar, mas sim interrogar, tentar perceber e depois explicar. tão simples.

The Dead South - In Hell I'll Be In Good Company [2016]

Hoje os assessores e as agências de comunicação exercem uma enorme pressão de agendamento e de cobertura mediática com técnicas apuradíssimas, sendo, por vezes, muito difícil perceber onde se interrompe uma profícua mediação e começa uma intolerável manipulação. Há também aqueles que fazem chegar às redações as suas mensagens em formato (pseudo) jornalístico, procurando que esses conteúdos sejam publicados integralmente assim. Os jornalistas ficam próximos do estatuto de "copy-paste" ou de pé de microfone.

Esta é uma ideia que anda por aí. Cola bem com a história de um lado negro da comunicação, de gente má que ganha a vida a manipular jornalistas, e cola ainda melhor com a necessidade de arranjar alibis para o estado lastimável de boa parte do jornalismo actual.
Mas esta é também uma ideia na qual naufraga o jornalismo.
O jornalismo é, por definição, um campo de batalha. De ideias, de pessoas, de interesses.
É natural - qual quê? é saudável - que nele desaguem todo o tipo de pressões, legítimas e ilegítimas - é da natureza humana... - e compete, precisamente, ao jornalismo organizá-las, hierarquizá-las, dispensá-las.
Não entendo o que pensam, ou querem, os jornalistas que afirmam ou subscrevem frases como aquela.
Redacções assépticas, imunes ao mundo? É que não sei se já repararam, mas o mundo - a vida... - é uma selva. O tal campo de batalha, do qual o jornalismo é suposto fazer eco.

Old Jerusalem - Harvest Moon


Neil Young: Don't Be Denied....BBC documentary charting Neil's career from his first experiences in Canada through his trip south and his time with Buffalo Springfield, CSNY and Crazy Horse. Whilst he is claiming it is just about the music, the film shows Neil as a man of great integrity both musically and politically. Fascinating stuff.



não era consensual e ainda bem.
aprecio cada vez mais as pessoas angulosas, imperfeitas. demasiado humanas.
sou daqueles, não somos poucos, para quem o nome de mário soares se confundirá sempre com a democracia portuguesa.
e sou daqueles, seremos menos, para quem mesmo as atitudes mais radicais - lá está, angulosas - dos últimos anos fazem tanto sentido como o resto da sua vida. haja quem se inquiete e revolte contra este mundo sacana que nos andam a impôr.
obrigado, Presidente!

My Morning Jacket - Only Memories Remain [2015]